Qual é a metáfora de sua empresa?

“Organização é uma estrutura com uma função”, ensinava o velho Drucker. Empresa é uma organização que gera valor de forma sustentável. Clientes, Acionistas, Empregados e Fornecedores em um mesmo lugar e circunstância, relacionados de forma contratual, para prosperarem. Sem prosperidade, pode ser tudo, menos empresa.

Ela pode ter diversas funções circunstanciais, mas não devemos esquecer a razão essencial pela qual existe. Ao longo de sua trajetória, dependendo da visão de seus acionistas, a empresa pode assumir outras funções para seu próprio desenvolvimento. Nesse momento, as metáforas podem ser fontes de inspiração de grande utilidade.

Ao longo da minha vida nas empresas, pude constatar e implementar diferentes visões sobre o que uma empresa pode ser. Por certo, todas as visões são subordinadas à ordenação pragmática da geração de resultados financeiros, porém a meu ver, as que se diferenciam, progridem e perduram são as que vão além de sua função principal. Constroem uma imagem marcante que vai além do seu papel institucional, influenciando sobremaneira os indivíduos que a vivenciam. Algumas delas alcançam dimensões intangíveis e se deixam traduzir mais facilmente por metáforas.

Como você definiria sua empresa? Uma escola? Uma família? Uma igreja? Uma festa ou um inferno? Apenas um meio de vida, tipo bicicleta que você não pode parar de pedalar? Quem poderá dizer que já não vivenciamos todas essas metáforas ao longo de anos dentro de uma mesma empresa?

Por baixo da cultura corporativa que nos enverniza, há sempre os mesmos desafios contínuos do indivíduo, em seus diálogos interiores, procurando um futuro melhor, seja nessa ou naquela empresa.

Sejam quais forem as metáforas que norteiem nossas vidas (minha vida é luta, é caminhar ou apenas sonhar?), elas devem ter alguma aderência com as metáforas dominantes das empresas que lideramos ou trabalhamos. É difícil trabalhar de forma sustentável (e feliz) quando as metáforas dominantes do coletivo são muito diversas (até opostas) àquelas que temos como inspiração para nossas vidas.

Para o empregado, lá na ponta, hierarquizado na base da pirâmide de Maslow, toda essa discussão pode parecer sofisticada ou mesmo inútil, mas para quem lidera a organização, ela é essencial. Se não houver identidade de valores entre a liderança e o bloco de acionistas (prefiro chamar de empatia de metáforas), não haverá possibilidade de evolução sustentável.

Está na moda falarmos de ESG e propósitos como orientações de nosso tempo, mas essa abordagem está longe de ser recente. As empresas com mais idade já tratam desses desafios há décadas. Escreveremos sobre ESG em outros artigos, mas tendo a achar que a frequência e a intensidade com que o tema, hoje, é tratado, tem a ver com a convergência de metáforas entre os indivíduos, nossas empresas e a sociedade.

“Empatia de metáforas” entre o bloco de controle da empresa e sua liderança torna-se assim essencial para a construção de organizações que façam a diferença de forma sustentável.

Assim, qual é a metáfora que mais lembra a sua empresa? Essa metáfora tem a ver com você?

Autor: Murilo Sampaio

Menu